carregando...

Notícias

Notícias

Unesp e Sebrae criam grupo de estudos



13/08/2013

Fonte: Assessoria de Imprensa da Unesp

O conhecimento básico sobre empreendedorismo é necessário a todos que desejam abrir seu próprio negócio, fazer prestação de serviço, crescer profissionalmente e gerar inovações. Diante disto, a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Unesp, Câmpus de Botucatu, criou, em parceria com o Sebrae, o Grupo de Estudos de Empreendedorismo da Medicina Veterinária (Geevet). “O propósito é colaborar na preparação dos colegas da medicina veterinária com uma visão de futuro, iniciativa, gerenciamento, firmeza, determinação, capacidade de inovar e ainda abrir caminhos para que todos nós possamos ter uma atuação profissional diferenciada no mercado de trabalho que nos espera”, diz o idealizador e coordenador José Rafael Modolo.

“O que nos levou a apoiar o empreendedorismo no contexto da FMVZ foi, inicialmente, uma proposta apresentada pelo professor Modolo no sentido de querer ampliar a visão dos alunos sobre a importância dessa temática na formação deles”, diz o responsável do Sebrae Botucatu pelas atividades, Roberto Augusto dos Santos, especialista em educação empreendedora da instituição. ‘Para cumprir com os objetivos apresentados foi criado um grupo de estudos de empreendedorismo para a veterinária formado por alunos e professores, o qual coordenará toda dinâmica necessária para as realizações das ações em conjunto com o SEBRAE de Botucatu.

”Outra relevância é o crescimento de interesse dos universitários na criação de negócios próprios; atualmente, seis em cada dez estudantes têm interesse em ser empresário. Enfim, a valorização da educação empreendedora pela FMVZ e os trabalhos que podem ser desenvolvidos pelos alunos para criar um ambiente favorável ao empreendedorismo foram os fatores essenciais para iniciar essa parceria”, comenta Santos.

Em 2013, serão abordados nos encontros pelos consultores do Sebrae de Como empreender para o sucesso os temas Empreendedorismo, o caminho para o próprio negócio; Tendências e oportunidades no Mercado PET; Como conquistar e manter clientes; e Marketing empresarial – como fazer um plano de marketing.

Modolo comenta que, nos últimos anos, o mundo prosperou com uma velocidade nunca vista antes, impulsionado por novas tecnologias, economia e, sobretudo, por indivíduos com maior capacidade de inovação e de visão. Por meio dessa evolução vertiginosa do progresso observa-se uma gama enorme de novas oportunidades no mercado de trabalho.

“Assim, poder olhar para o futuro e construir novos cenários é hoje, antes de tudo, uma questão de sobrevivência, o que implica em preparação e competência para usar as circunstâncias atuais. Para prosperar e ser absorvido por este mercado – irreversivelmente cada vez mais complexo –, é necessário apresentar certas habilidades e comportamentos para que o principal diferencial competitivo seja a qualidade na prestação de serviços. O que o mercado procura, hoje, é um profissional com formação diversificada e espírito empreendedor”, diz o professor da FMVZ.

Modolo afirma que a teoria do empreendedorismo, ao lado de uma ótima formação acadêmica, poderá ser um instrumento útil, pois se for adequadamente utilizada oferecerá condições para os futuros médicos veterinários compreenderem as novas exigências desse fenômeno econômico, e possam estar, assim, mais bem preparados para um bom desempenho profissional.

“Todavia, os ensinamentos para utilização desse instrumento é um processo de educação que se inicia na graduação. Trata-se, pois, de uma contínua formação, cujos aprendizados vão se acumulando e resultarão na evolução do exercício da profissão. Essa educação permanente exigirá, sem dúvida, dedicação, esforço, e, principalmente, paciência e sacrifício. Do contrário, o resultado poderá ser a estagnação do profissional”, comenta Modolo.

O professor da FMVZ, entre os vários conceitos que surgiram com a evolução e mudanças históricas, define “empreendedor” como, basicamente, aquele capaz de identificar uma oportunidade, planejar ações, assumir riscos previstos e calculados para inovar ou ser criativo com qualidade. Ele mantém foco em abrir o próprio empreendimento, comanda e arrisca seu capital na geração de riquezas, recebendo com isso as consequentes recompensas de satisfação econômica e pessoal.

“Enquanto o empreendedor investe e arrisca seu capital, o intraempreendedor investe na prestação de serviços. Ele mostra sua capacidade para modificar e melhorar a gestão dos processos e com isso põe em jogo sua carreira e seu emprego, pois realiza prestação de serviço”, comenta o docente.

Os sucessos das atuações de empreendedorismo, para Modolo, estão diretamente ligados ao conjunto de características comportamentais, como perfil e habilidades, dos atores que estão à frente dos empreendimentos e das prestações de serviços.

“É óbvio que essas características não são igualmente comuns a todas as pessoas. Para algumas, são natas. Contudo, é possível ensinar a teoria e a prática de empreendedorismo, dotando os futuros médicos veterinários de ferramentas básicas que lhes ofereçam condições de competir em uma sociedade cada vez mais exigente, com os desafios da atualidade e com uma diferenciação positiva frente à concorrência”, diz Modolo.

Para que esses profissionais aumentem suas chances de sucesso profissional, é importante identificar necessidades e deficiências e, então, supri-las atribuindo-lhes recursos do empreendedorismo. Essa situação estimulou a disciplina de planejamento de saúde animal, do departamento de higiene veterinária e saúde pública da FMVZ/Unesp Botucatu a convidar alunos da veterinária para criar o Geevet e procurar o Sebrae, Instituição altamente qualificada que está estabalecendo a teoria empreendedora e ensinando a ser empreendedor no país, com a finalidade de difundir essa cultura aos estudantes de medicina veterinária desta faculdade e também aos residentes e pós-graduandos.

“O que nos levou a apoiar o empreendedorismo no contexto da FMVZ foi, inicialmente, uma proposta apresentada pelo professor Modolo no sentido de querer ampliar a visão dos alunos sobre a importância dessa temática na formação deles”, diz o responsável do Sebrae Botucatu pelas atividades, Roberto Augusto dos Santos, especialista em educação empreendedora da instituição. ‘Para cumprir com os objetivos apresentados foi criado um grupo de estudos de empreendedorismo para a veterinária formado por alunos e professores, o qual coordenará toda dinâmica necessária para as realizações das ações em conjunto com o SEBRAE de Botucatu.

”Outra relevância é o crescimento de interesse dos universitários na criação de negócios próprios; atualmente, seis em cada dez estudantes têm interesse em ser empresário. Enfim, a valorização da educação empreendedora pela FMVZ e os trabalhos que podem ser desenvolvidos pelos alunos para criar um ambiente favorável ao empreendedorismo foram os fatores essenciais para iniciar essa parceria”, comenta Santos.

Certamente a atuação de ambas as Instituições, somada às novas atitudes e perfil que esses acadêmicos passarão a ter, refletirão nas melhorias das prestações de seus serviços e na abertura de seus negócios. Pois, uma atuação profissional bem-sucedida é uma das responsáveis pelo bem estar pessoal e também coletivo. Esperamos estar, então, colaborando para que esses futuros profissionais ocupem um espaço diferenciado e importante no mercado atual e futuro”, conclui Modolo.

A diretoria do Geevet é assim constituída: Presidente: Ana Cecília Oliveira – 4o ano; Vice-Presidente: Clarissa Muniz – 3o ano; Diretor de Projeto: Bruna Brancalion – 3o ano; Diretor de Publicidade: Camila Baptista – 3o ano; Diretor de RH: Caroline Arantes – 1o ano; Diretor Jurídico e Financeiro: Jeniffeer Coris – 3o ano; e Assessor: Julia Borba – 2o ano.

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo