carregando...

VÍDEOS

ÓRGÃOS VINCULADOS

Notícias

Notícias

Qualidade do ar



02/04/2007

O Ipen passou a integrar oficialmente, desde 29 de março, a rede de monitoramento da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental), com a inauguração de uma estação de monitoramento da qualidade do ar destinada estudar gases precursores de ozônio e monóxido de carbono. A estação, a melhor para medição de ozônio na cidade, localiza-se longe das fontes de poluição do ar, ou seja, afastada de onde o ozônio está sendo produzido, e a uma altitude de 800 metros, similar à Avenida Paulista e equivalente ao ponto mais alto da cidade. A inauguração aconteceu às 15 horas, no Ipen. Contou com a presença de autoridades e pesquisadores da área. Destaque para a presença do médico Paulo Saldiva, da Faculdade de Medicina da USP, especialista há mais de 30 anos em efeitos de poluição do ar na saúde.

A estação é resultado de um convênio de cooperação científica entre as duas instituições. No laboratório do Centro de Química e Meio Ambiente (CQMA) do instituto, as amostras coletadas diariamente serão analisadas, identificadas e quantificadas. "Além de ser adicionada à rede telemétrica da Cetesb, a estação fornecerá à comunidade científica um ponto privilegiado de experimentos em atmosfera", afirma Luciana Vanni Gatti, pesquisadora do CQMA.

O ozônio é o poluente que mais ultrapassa os parâmetros de qualidade do ar estabelecidos nas legislações federal e estadual. Chega a atingir níveis de concentrações elevadas que levam à classificação na cidade da má qualidade do ar.

A agência ambiental mantém 29 estações automáticas de monitoramento da qualidade do ar na Região Metropolitana de São Paulo, a maior parte localizada em áreas de grande fluxo de veículos. No boletim da qualidade do ar da Cetesb desta quinta-feira os dados coletados pela estação já estarão disponíveis.

Ozônio
A destruição da camada de ozônio é uma das preocupações mundiais. Na camada chamada estratosfera (entre 15 e 30 quilômetros da superfície da terra), o ozônio filtra os raios ultravioleta, protegendo os seres vivos da radiação UV-B. No entanto, quando se concentra na faixa de ar próxima ao solo (troposfera), é um poluente. Pode afetar tanto pessoas com problemas respiratórios quanto indivíduos saudáveis. Experimentos realizados com voluntários mostram que o ozônio produz irritação passageira do sistema respiratório, provocando tosse, respiração ofegante e dor no peito durante a respiração profunda. A maior concentração do ozônio ocorre no horário de pico da radiação solar. Por isso, essa seria a pior hora para realizar, por exemplo, a prática de esportes como a corrida.

Fonte: Ipen – Assessoria de Comunicação e Imprensa

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo