carregando...

Notícias

Notícias

IPT aumenta capacitação em construção civil



27/02/2013

Fonte: IPT e SDECT

Com objetivo de aperfeiçoar a obtenção de clínquer de cimento a partir de resíduos industriais, o pesquisador Fabiano Ferreira Chotoli, do Laboratório de Materiais de Construção Civil, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), esteve em Portugal e Espanha, desde o mês de abril até dezembro de 2012, por meio do Programa de Desenvolvimento e Capacitação no Exterior (PDCE).

Chotoli ficou em treinamento na Universidade de Aveiro (Portugal) para interagir com grupo de pesquisa na área de cerâmica e vidro, que tem trabalhado com produção de cimentos Portland e especiais, e cimento sulfoaluminoso. Esteve também na Universidade de Málaga (Espanha), para conhecer novos laboratórios e obter conhecimento especifico em interpretação de ensaios de difração de raios X em cimentos especiais.

Foco de seu estudo, o clínquer, é o principal constituinte na fabricação de cimento, e utiliza diversos recursos naturais para sua obtenção, tais como calcário, argila, minérios de ferro, bauxita e gipsita. O grande desafio do pesquisador no exterior foi aperfeiçoar as técnicas de preparação de clínquer em escala de laboratório, incluindo cálculo e previsão teórica para dosagem das matérias primas, mistura e homogeneização, calcinação e verificação da composição mineralógica obtida no final do processo, por meio de difração de raios X.

O treinamento também teve como foco substituir parte dos minerais naturais, tradicionalmente utilizados, por resíduos industriais, contribuindo com questões ambientais, energéticas e econômicas. “A qualidade dos clínqueres que utiliza resíduos industriais é quase a mesma", afirma Chotoli, que tem a intenção de dar continuidade do estudo no IPT, por meio de projetos internos, de fomento ou parceria com clientes.

le explica que o meio ambiente é poupado quando os recursos naturais são substituídos por resíduos industriais, além de reaproveitar esses resíduos e evitar que sejam descartados em aterros. “Alguns dos materiais residuais têm propriedades que funcionam como mineralizante no procedimento de fabricação do cimento, podendo abaixar a temperatura do forno e diminuir o consumo de combustível, trazendo benefícios econômicos e também ambientais, além da redução da emissão de gás carbônico (CO2) para a atmosfera”, afirma.

Com os conhecimentos adquiridos dentro do setor cimenteiro, Chotoli também realizou aplicações em cimentos especiais, que segundo ele, o Brasil tem grande potencial de consumir. O cimento sulfoaluminoso, por exemplo, tem sido utilizado em outros países desde a década de 70 e tem sido produzido a partir de resíduos contendo elevados teores de enxofre.

Para Chotoli, a experiência proporcionada pelo PDCE contribuiu ainda mais com suas atividades dentro do laboratório. Ele elogia a estrutura física e administrativa do Instituto comparado com outros internacionais visitado por ele. “O IPT tem o diferencial da multidisciplinaridade com uma dinâmica maior que em outros lugares”, declara. O pesquisador conta que essa foi uma oportunidade profissional e pessoal enriquecedora em sua vida, já que pôde aprimorar outra língua e conhecer mais sobre a cultura do país, enquanto estudava tecnologias disponíveis em sua área de atuação.

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo