carregando...

Notícias

Notícias

IPT apresenta propostas para preservação



24/02/2012

Edifício Dom Helder Câmara, em Ribeirão Pires que passou por análise do IPT

Há pelo menos 50 anos, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) vem trabalhando na área de conservação do patrimônio histórico. Esta competência recebeu ainda mais experiência com a participação em um projeto convocado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), onde o Instituto foi aprovado para apresentar propostas de pesquisas voltadas ao avanço científico e tecnológico na conservação e restauração de bens do patrimônio histórico-cultural brasileiro.

Este projeto reuniu áreas de conhecimento relacionadas à conservação e restauração de bens culturais, propiciando integração e cooperação entre os centros de pesquisas do Instituto, visando consolidar a parte técnica e científica desse segmento para incentivar projetos de laboratórios e cooperativas de pesquisa multidisciplinar. Assim foi formada a Rede de Apoio Tecnológico para Restauração e Conservação do Patrimônio Histórico (Retecop), grupo que vem trabalhando nesta proposta desde 2002.

A rede apresentou duas frentes de estudo: em edificação e a outra em acervo de papel. Na área de edificação, como projeto piloto, foi utilizado o edifício Adriano Marchini do IPT. Foram feitas pesquisas documentais, avaliações da estrutura da edificação, caracterizações dos materiais que a compõem, instalações de segurança contra incêndio, verificação do conforto acústico, térmico e lumínico, bem como propostas de medidas de conservação.

Segundo a coordenadora da Retecop, Mirian Cruxen, o objetivo da rede é fazer com que as áreas ligadas ao mesmo assunto trabalhem em conjunto, unindo as capacitações técnicas, que têm experiência e se interessam em preservação histórica. “É importante que uma instituição como o IPT, que tem mais de 100 anos, preserve sua memória técnica, nesse sentido também queremos dar nossa contribuição”, disse Mirian.

Na ocasião do estudo do edifício Adriano Marchini foi encontrada uma infestação de cupins subterrâneos. A equipe utilizou a técnica que estava iniciando no Brasil, a de iscas de cupins, um dos primeiros trabalhos do Instituto com essa tecnologia.

Houve também a oportunidade de as equipes de diversas áreas técnicas se relacionarem num trabalho multidisciplinar, possibilitando um diagnóstico mais completo considerando o conjunto de variáveis e, desta forma, indicar as melhores alternativas de conservação do patrimônio.

Já na área de acervo em papel, em parceria com a Associação Brasileira de Encadernação e Restauro (ABER) e um grupo do Senai-SP, a equipe do IPT escolheu como objeto de estudo o Acervo Municipal Washington Luiz, no centro de São Paulo. O acervo, que acumula documentos de vários períodos da história do Brasil, teve seus gráficos e amostras de papel analisadas por especialistas de fungos e deterioração para um levantamento das condições do acervo.

A RETECOP também se preocupa com a questão da memória histórica. Quando se trata de patrimônio histórico, diversos elementos são relevantes para o estudo: a razão para a conservação do objeto; dados históricos da época; momento político da época; materiais usados na construção; quem foi o arquiteto. Todas essas informações refletem nos materiais recomendados para a restauração e nas técnicas construtivas.

A rede tem possibilitado parcerias com órgãos públicos de tombamento e instituições privadas, para fins de que obras sejam conservadas ou com interesse em patrocinar seu restauro. Em julho de 2009, a Prefeitura do Município de Ribeirão Pires procurou o IPT para avaliar o estado de conservação em que se encontrava o Edifício Dom Helder Câmara, onde havia funcionado uma antiga fábrica de sal, e apresentar recomendações para preservação e restauro. Os trabalhos do IPT foram conduzidos por equipes multidisciplinares que apontaram soluções de melhorias.

Outro trabalho bastante reconhecido prestado pelo IPT na área do patrimônio histórico foi o auxílio prestado na reconstrução de São Luís do Paraitinga, quando em 2010 ocorreu a maior enchente de sua história, causando a submersão de muitas casas e edificações comprometendo as construções da cidade.

Em um primeiro momento, o CONDEPHAAT – Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arquitetônico, Artístico e Turístico do Estado - efetuou de forma emergencial um levantamento das edificações mais antigas, totalizando 83 imóveis. O IPT participou disponibilizando a capacitação de suas equipes técnicas representadas por especialistas das áreas de estrutura, fundações, geotecnia, materiais de construção e biologia, que trabalharam neste projeto durante dois anos. Este projeto teve como objetivos avaliar a situação estrutural e o estado de conservação das edificações consideradas em situação crítica de segurança e propor medidas emergenciais para evitar o colapso dos seus componentes construtivos.

INTERCÂMBIO INTERNACIONAL - Em 2011, a rede recebeu a visita da arquiteta Mauricia Domínguez, professora da Universidad Iberoamericana de Santo Domingo, na República Dominicana. Com o objetivo de caracterizar argamassas coloniais e madeira, Mauricia pretende estabelecer parceria com a Retecop para financiar um estudo em edificações erguidas no período colonial na capital de seu país.

O trabalho em rede é sempre um grande desafio, que exige dos participantes um esforço de articulação e de reconhecimento da importância do trabalho de equipes multidisciplinares, e consequentemente, pontos de vista distintos. Essa característica possibilita à Retecop atuar em trabalhos de grande complexidade, incorporando práticas tecnológicas aos diversos projetos de conservação do patrimônio histórico. Uma rica experiência que poderá ser aproveitada por outras comunidades, órgãos ligados à preservação do patrimônio histórico e pelas instituições governamentais ou privadas, para que a história seja preservada e transmitida para o futuro.

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo