carregando...

VÍDEOS

ÓRGÃOS VINCULADOS

Notícias

Notícias

Estudantes da Fatec Araçatuba desenvolvem “coração digital” de mamífero



13/02/2014

Fonte: Centro Paula Souza

Um software desenvolvido por alunos da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Araçatuba vai ajudar estudantes da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) a estudar os efeitos conhecidos de medicamentos no coração de mamíferos. Apelidado de “coração digital”, o produto é um material didático inédito no Brasil. 

Três alunos trabalham sob a coordenação da professora Lucilena de Lima, que também coordena o curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da unidade.  Eles criaram um protótipo que vai requerer mais alguns meses de trabalho até que possa ser usado pelos futuros veterinários.

Até aqui, os estudantes montaram uma base de dados que contém uma coletânea de fármacos utilizados em tratamentos de mamíferos. Agora, os pesquisadores estão na etapa da construção da simulação visual. O coração vai começar a ganhar forma e o sistema circulatório terá movimentos. Primeiro, em duas dimensões.  

Sem cobaias

A ideia é que os alunos da Unesp consigam entender as reações que os medicamentos provocam sobre a força de contração do coração e a frequência cardíaca dos animais sem que cobaias precisem ser usadas. 

Mesmo estando pela metade, o software da Fatec já é um recurso mais avançado que o usado pela professora de Farmacologia da Unesp Valéria Maria Savoya da Silva. “Eu ainda uso um material em disquete”, conta a docente. “A USP (Universidade de São Paulo) criou um ótimo material na década de 1990, simples, didático, colorido, mas bidimensional.” 
Valéria afirma que há softwares semelhantes aos que a Fatec de Araçatuba está desenvolvendo a pedido dela em outros países, mas não no Brasil.
“Este projeto tornou-se um estudo de caso”, diz Lucilena. Na avaliação da diretora da unidade, Daniela Russo Leite, o software mostra que as faculdades de tecnologia desenvolvem pesquisas relevantes. “Nossa preocupação tem sido desenvolver tecnologias aplicáveis.”

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo