carregando...

Notícias

Notícias

Convênio entre Fapesp e Dedini



17/07/2007

Nesta terça-feira (17/07), o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Alberto Goldman, compareceu a abertura do 5º Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria Sucroalcooleira - SIMTEC, em Piracicaba, onde foi assinado o convênio entre Fapesp e Dedini para o co-financiamento de pesquisa sobre etanol.

O Brasil é o maior produtor de álcool combustível a partir da cana-de-açúcar, além de ser seu maior exportador. Em 2006, a energia a álcool teve 14,4% da oferta de energia consumida no Brasil, número bem próximo ao da energia elétrica consumida no mesmo período; daí a importância de investimentos nesse setor.

As pesquisas que a Fapesp apóia, buscam, entre outros fatores, a melhoria das condições de cultivo e colheita da cana, um aproveitamento total da biomassa da cana na produção de álcool e o desenvolvimento de máquinas e sistemas de conversão. O grupo Dedini S/A, líder mundial no fornecimento de equipamentos e plantas para a área sucroalcooleiro e suas destilarias são responsáveis por 80% da produção de álcool no Brasil.

O convênio visa apoiar projetos sobre o aprimoramento do processo de produção da cana em etanol, mantendo a competitividade brasileira com o mercado externo. José Luiz Olivério, Vice-Presidente de Tecnologia e Desenvolvimento da Dedini Indústrias, ressaltou que “o custo do álcool reduziu de US$ 90 para US$ 40, com o Brasil desempenhando um papel de liderança nesse quadro. E, para continuar essa liderança, precisa-se investir em Ciência e Tecnologia. Esse é o propósito desse convênio: preparar o Brasil para os novos desafios”. A duração do convênio será de cinco anos, com um aporte total de R$ 100 milhões.

Barjas Negri, prefeito de Piracicaba confia no projeto, e acredita que “em breve, a Dedini e a Fapesp terão os resultados desse convênio, pois ele estimula a criação da Tecnologia no Brasil e em Piracicaba”, e recorda a consciência global da iniciativa: “Estamos contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e do mundo”, afirma. O Diretor Científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, também ressaltou a importante oportunidade que o Brasil tem no cenário político atual e sua influência nos biocombustíveis, afirmando que “o aumento do interesse mundial faz com que o Brasil tenha que organizar a forma como vemos o etanol”.

O Governo do Estado de São Paulo conta com a participação ativa da Secretaria de Desenvolvimento em investimentos em pesquisa. Carlos Vogt, presidente da Fapesp, lembra que “graças ao intenso investimento em pesquisa, o estado de São Paulo tem liderança no cenário nacional e internacional no setor do etanol”.

O vice-governador Alberto Goldman, destacou a competitividade que existe na área dos biocombustíveis, e declarou que o convênio entre a Dedini S/A e a Fapesp “é essencial para que se possa enfrentar a competição. Esse é o papel do Estado, estimular e apoiar iniciativas como essa, especialmente nessa área próspera”, disse.

O governardor José Serra salientou a importância do etanol e o paradigma do aquecimento global, afirmando que temos um novo desafio a transpor, “porque na agenda mundial tem-se urgência em enfrentar e diminuir o avanço do aquecimento global”, e arremata: “o século 20 foi o século do ouro negro, o petróleo. Se depender da Fapesp, o século 21 será o século do ouro verde”.

Após os pronunciamentos sobre o evento, o governador citou algumas das iniciativas de desenvolvimento programadas para a região de Piracicaba, entre elas, a instalação de uma Fatec e de uma Etec. "A Fatec de Piracicaba já está liberada, agora só dependemos da prefeitura para a confirmação do local onde será construída”, disse o governador.

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo