carregando...

Notícias

Notícias

Centro Paula Souza assina acordo com instituto de ensino tecnológico da China



03/02/2015

Fonte: Centro Paula Souza

Para vice-diretor-superintendente do Centro Paula Souza, acordo permitirá integração de professores e alunos dos dois países (Divulgação)O vice-diretor superintendente do Centro Paula Souza, César Silva, recebeu na segunda-feira, 2 de fevereiro, a visita de uma comitiva do Instituto Sino-Alemão de Tecnologia Profissional de Tianjin, na China. Durante o encontro, foi assinado um protocolo de intenções com objetivo de desenvolver projetos em conjunto nas áreas de educação, ciência, tecnologia e cultura.

“Tianjin é uma região estratégica na produção industrial da China. O acordo nos permitirá possibilidades de interação entre estudantes e professores, promovendo a troca de experiências e o fortalecimento tecnológico”, afirmou César Silva.

Liderada por Li Da Wey, a equipe do instituto era composta pelo diretor do Departamento de Gestão do Ensino, Yang Zhong Li, pela diretora da Faculdade de Idiomas Estrangeiros, Wang Jin Feng, e pelo diretor da Faculdade de Mecânica e Materiais, Chen Kuan.

“China e Brasil possuem muitas similaridades e podem trabalhar juntos para atender às exigências do mercado profissional em meio à economia globalizada”, ressaltou Li Da Wey.  

Modelo alemão
Criado em 1985, o Instituto Sino-Alemão de Tecnologia Profissional de Tianjin é uma das maiores faculdades tecnológicas nacionais de tempo integral da China. Inspirada no modelo de ensino alemão, a instituição é especializada em eletromecânica de veículos e aviação, além de contar com cursos nas áreas de tecnologia da informação, idiomas, gestão econômica e arte. 

Localizada no nordeste da China, Tianjin é banhada pelo Oceano Pacífico e faz divisa com a província de Hebei e com a capital Pequim.  É a quinta cidade mais rica da China e conta com um extenso parque industrial em diversos setores da economia. Com cerca de 14 milhões de habitantes, é a terceira cidade mais populosa do país, atrás apenas de Xangai e Pequim.

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo