carregando...

Notícias

Notícias

Centro de pesquisa em engenharia de motores a biocombustíveis é lançado



07/11/2014

Fonte: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Fapesp e Peugeot Citroën do Brasil assinam termo de convênio de cooperação com  USP, Unicamp, ITA e Instituto Mauá de Tecnologia para dar início ao projeto (Leandro Negro/Fapesp)A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Peugeot Citroën do Brasil (PCBA) assinaram, nesta terça-feira, 4 de novembro, um termo de convênio de cooperação com a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e o Instituto Mauá de Tecnologia (IMT) para o lançamento do Centro de Pesquisa em Engenharia Professor Urbano Ernesto Stumpf.

O centro de pesquisa será voltado ao desenvolvimento de motores de combustão interna, adaptados ou desenvolvidos especificamente para biocombustíveis, e a estudos sobre a sustentabilidade dos biocombustíveis.

Entre os temas que serão investigados estão novas configurações de motores a biocombustíveis, veículos híbridos, redução de consumo, emissão de gases e seus impactos e a viabilidade econômica e ambiental de biocombustíveis.

“O convênio de cooperação permitirá a convergência e a interação entre a Peugeot Citroën, a Fapesp, universidades e instituições de pesquisa, que atuarão em rede e darão contribuições específicas em suas áreas de especialização para o desenvolvimento de motores a biocombustíveis”, disse o presidente da Fapesp, Celso Lafer, durante a assinatura do termo de convênio.

O centro terá sede na Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp e será integrado por pesquisadores da universidade campineira, do Laboratório de Engenharia Térmica e Ambiente (Lete) da Escola Politécnica da USP (Poli-USP), do Laboratório de Combustão, Propulsão e Energia (LCPE) do ITA e do Laboratório de Motores e Veículos do IMT.

Os pesquisadores das quatro instituições desenvolverão estudos em suas áreas específicas de especialização de forma integrada. O grupo do Laboratório de Motores e Veículos do IMT, por exemplo, vai se dedicar a ensaios de motores, área em que possui longa tradição. Já os grupos de pesquisadores do Lete e do LCPE estarão voltados para estudar a fenomenologia básica de combustão.

“A integração desses diferentes grupos de pesquisa será um dos maiores desafios para o construção do centro”, disse o professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Unicamp e coordenador do projeto, Waldyr Gallo à Agência Fapesp.

“A ideia é aproveitar e fazer avançar as pesquisas que cada um deles já realiza, sob diferentes aspectos da engenharia de motores, para avançarmos no desenvolvimento de motores a biocombustíveis”, disse.

Interação com universidades
A proposta coordenada por Waldyr Gallo foi selecionada a partir de uma chamada de propostas lançada no âmbito do acordo de cooperação em pesquisa, assinado em 2012 entre a Fapesp e a PCBA.

O investimento será de cerca de R$ 32 milhões por um período de 10 anos, sendo R$ 8 milhões da Fapesp, R$ 8 milhões da PCBA e aproximadamente R$ 16 milhões em despesas operacionais e salários pagos pelas instituições de pesquisa participantes.

O desenvolvimento das pesquisas do centro será acompanhado por um comitê internacional formado por pesquisadores do Institut des Sciences et Technologies (ParisTech), na França; do Instituto Politécnico de Turim, na Itália; e das universidades de Cambridge e College London (Reino Unido) e Técnica de Darmstadt (Alemanha).

“O Centro de Pesquisa em Engenharia une características do programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) com as do Programa Fapesp de Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica, o PITE, lançado em 1995, com o objetivo de estimular a realização de projetos de pesquisa entre pesquisadores de universidades e de empresas”, disse o diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito de Cruz.

“A ideia é que o centro comece a funcionar por meio de uma interação intensa entre a empresa e as universidades e instituições de pesquisa participantes. Por isso, uma das regras que estabelecemos foi que o centro tivesse, além de um coordenador, um coordenador adjunto, indicado pela Peugeot, que estará vinculado à Unicamp como professor visitante e poderá dar aulas e orientar estudantes durante o projeto”, afirmou.

O profissional que assumirá essa função será Franck Turkovics, gerente de Engenharia de Powertrain e Biocombustíveis da PSA Peugeot Citroën.

“A interação entre a Peugeot Citroën e as universidades e instituições de pesquisa participantes do Centro de Pesquisa em Engenharia será fundamental para conseguirmos desenvolver um motor otimizado a fim de utilizar eficientemente etanol, por exemplo”, avaliou Turkovics.

Motor a etanol
De acordo com dados apresentados no evento e com a paralisação da fabricação de motores dedicados a etanol no Brasil, em 2006, quando os veículos flex fuel passaram a liderar a frota de automóveis, foram suspensas as pesquisas e o desenvolvimento de produtos na área.

A meta do Centro de Pesquisa em Engenharia é retomar os estudos e desenvolvimentos nessa área e testar tecnologias até então não usadas em motores a etanol, como a de injeção direta.

“Os motores dedicados a etanol podem trabalhar com taxas de compressão mais elevadas e ter maior velocidade de queima do que a gasolina”, disse Gallo. “A combinação de diferentes tecnologias deverá contribuir para aumentar a eficiência de motores dedicados a etanol, completou.”

O pesquisador ressaltou, no entanto, que o objetivo do Centro é avançar no conhecimento sobre o uso de biocombustíveis em geral, não apenas de etanol.

“O primeiro programa de pesquisa será voltado à avaliação e ao uso de motores a etanol para veículos comerciais leves ou pesados. Mas o objetivo, no longo prazo, é avançar no estudo de outros biocombustíveis”, disse Gallo.

Segundo ele, a meta é desenvolver um motor a biocombustível que se aproxime dos motores a diesel, em termos de eficiência de uso do combustível.

“Se conseguirmos desenvolver um motor a biocombustível que se aproxime dos motores a diesel, em termos de eficiência, ele poderá se tornar um produto com nicho de mercado, que competirá com os motores a diesel, e não com os a gasolina, como acontece hoje com os motores flex fuel”, avaliou.

De acordo com ele, os motores flex fuel do mercado brasileiro têm rodado majoritariamente com gasolina, em razão de o etanol não ser distribuído em todas as regiões do país e de os motores não serem otimizados para o uso desse biocombustível.

“A rigor, os motores flex fuel nem poderiam estar otimizados para usar etanol, porque a maior parte desses veículos está rodando com gasolina”, disse Gallo.

Também participaram da cerimônia de assinatura do termo de convênio de cooperação o vice-presidente Eduardo Moacyr Krieger, o diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo (CTA) da Fapesp, José Arana Varela, e o gerente de pesquisa e engenharia avançada da PSA Peugeot Citroën do Brasil, Emmanuel Hédouin.

Confira mais informações no vídeo

MAIS DESENVOLVIMENTO

Governo do Estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo